Google+ Followers

terça-feira, 10 de abril de 2012

NINFAS

Como o Nome genérico de Ninfas são chamadas as divindades (já que são cultuadas) femininas secundárias da mitologia, ou seja, divindades que não habitavam o olimpo. Essencialmente ligadas à terra e à agua. Simbolizam a própria força geradora daquela. Levando-se em consideração a teoria de Bachofen, as Ninfas seriam Mãe e a mulher a figura religiosa central. Nesse caso, essas divindades secundárias poderiam ser consideradas menores que representam Geia, a grande Terra-Mãe em sua união com a água, elemento úmido e fecundante. Tudo leva a crer que sim, pois, da união desses dois elementos, Terra e água, surge a força geradora que preside à reprodução e à fecundidade da natureza tanto animal quanto vegetal.

Assim concebidas, as Ninfas são a própria Geia em suas múltiplas facetas, enquanto origem de todos os seres e coisas, enquanto grande deusa, cujas energias nunca se esgotam. Por tudo isso só podiam ser divindades femininas de eterna juventude. E se é verdade que as Ninfas não são imortais, vivem contudo tanto quanto uma palmeira, ou seja, cerca de dez mil anos e jamais envelhecem. Decodificando, teremos a própria natureza, que não é imortal, uma vez que perece e renasce, num eterno ressurgir, portanto uma força canalizada para uma perpétua renovação. A eterna juventude das Ninfas traduz, assim, a perenidade de Geia, a Terra-mãe. Enquanto hipóstases desta, as Ninfas eram divindades benfazejas e tudo propiciavam aos homens e à natureza em si. Tinham o dom de profetizar, de curar e de nutrir. Como representantes da Terra-Mãe, não se limitavam apenas aos mares e rios, mas abrangiam a terra como um todo, com seus vales, montanhas e grutas.
Todas, descendem de Geia. Da união de Oceano e Tétis nasceram as Oceânidas, ninfas dos mares; Nereu (o velho do mar) uniu-se a Doris e nasceram as Nereidas, também ninfas marítimas; os Rios, unidos a elementos vários, geraram outras ninfas, como as Potâmidas, ninfas dos rios; Náiades, ninfas dos ribeiros e riachos; Crenéias e Pegéias, ninfas das fontes e nascentes; e as Limneidas, ninfas dos lagos e lagoas.




Estas eram as Ninfas que habitavam o elemento aquático e faziam parte freqüentemente do cortejo de Hera e Artemis.
As ninfas da terra propriamente dita são as Napéias, que habitavam vales e selvas; as Oréadas, ninfas das montanhas e colinas; as Dríadas e Hamadríadas, ninfas das árvores em geral e especificamente do carvalho (árvore consagrada a Zeus). Há uma distinção entre Dríadas "carvalho" e Hamadríadas, "ao mesmo tempo". Quer dizer, as Dríadas são Ninfas, cuja vida depende da vida do carvalho e as Hamadríadas são as que "fazem corpo com o carvalho", isto é, estão incorporadas a esta árvore, já nascem com ela.
Em síntese temos os seguintes tipos de Ninfas:
Oceânidas (Ninfas do alto-mar) - Nereidas (ninfas dos mares internos) - Potâmidas (ninfas dos rios) - Náiades (ninfas dos ribeiros e riachos) - Crenéias (Ninfas das Fontes) - Pegéias (ninfas das nascentes) - Limneidas (ninfas dos lagos e lagoas) - Napéias (ninfas dos vales e selvas) - Oréadas (ninfas das montanhas e colinas) - Dríadas (ninfas das árvores e particularmente dos carvalhos) - Hamadríadas (ninfas dos carvalhos) - Melíades (ninfas dos freixos).





Nenhum comentário:

Postar um comentário